Estudos Sobre o Apocalipse. Capítulo 12.

Israel, o Messias e a Perseguição de Satanás.

 

Tendo em vista a vastíssima quantidade de conhecimentos e de informações que o Apocalipse apresenta, continuaremos nossa sequência de estudos sobre este que é o último dos Livros da Bíblia sem, por hora, seguirmos uma sequência que pareça cronologicamente lógica. Todavia, quando um maior número de estudos sobre o Apocalipse já houver sido publicado no site, então poderemos buscar uma sequência cronológica mais clara. Todavia, essa sequência de nada adiantará, a não ser que compreendamos corretamente as porções já estudadas.

Não é esta uma fácil missão, pois entendemos que há coisas a respeito do fim que ainda não nos foram reveladas, e Deus tem suas razões para isto. Faço esta afirmação, também porque tenho visto e ouvido respeitados estudiosos das Escrituras não conseguindo ir muito mais adiante do que eu e outros irmãos temos conseguido ir. Ou seja, para todos nós há coisas ainda impossíveis de serem entendidas. Isto, todavia, de modo nenhum é motivo para deixarmos de estudar o Apocalipse, e pela oração, vossa e nossa, na Luz do Espírito de Deus, na leitura cuidadosa das Escrituras, certamente iremos recebendo de Deus, passo a passo, a instrução e a sabedoria que ele nos desejar conceder. Lembrando que o nosso principal objetivo é a edificação da Igreja de Cristo.

Insisto em que toda a Igreja deva se dedicar ao estudo das Escrituras, o que inclui, com ênfase, o Novo Testamento no qual se encontra o Apocalipse.

É verdade que o Senhor Jesus Cristo nos disse que nem ele próprio sabia a respeito “daquele dia e daquela hora”, referindo-se ao Dia do Senhor, ao Seu retorno, porém, ele nos ensina que devemos discernir as estações, ou seja, em que época nos encontramos.

“Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados. Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória. E ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus. Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça. Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão. Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai.” Mateus 24:29-36

Não sabemos nem o dia e nem a hora de seu retorno, mas podemos, pelas Escrituras, pela unção do Espírito de Deus e pela observação dos eventos à nossa volta, entender em que estação estamos. Se passaremos, eu e você, por esta existência sem que experimentemos a morte, isto só Deus sabe. Todavia, tenho plena certeza e convicção de que estamos na estação da sua vinda.

Importante aqui frisar que ao pronunciar estas palavras, o Senhor Jesus o fez na condição de Filho do Homem, como está escrito no trecho bíblico acima. O Filho do Homem refere-se a Deus em seu estado de humanidade, todavia, o Senhor Jesus Cristo já não mais se encontra daquele modo, pois ressuscitou e voltou para o Pai, reassumindo seu estado de glória e de majestade, sendo ele o próprio Deus que veio ao mundo para nos salvar. Isto significa que agora, do seu trono, ele sabe sobre o dia e sobre a hora.

“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.” Filipenses 2:5-11

Uma das mais satânicas falsas religiões que há em nossos dias chama-se “Testemunhas de Jeová”. São blasfemos, hereges e completamente cegos sobre as Escrituras, embora afirmem ser “estudantes da Bíblia”. Esses falsos cristãos procuram deturpar as Escrituras e negar a divindade do Senhor Jesus Cristo. E se utilizam de Mateus 24 procurando inferiorizar a Cristo, a quem negam. Porém, como já dito, Jesus Cristo em sua humanidade se esvaziou a fim de se tornar semelhante a nós. E isto nunca jamais mudou em nada o fato de quem ele é, ou seja, Deus.

O Pai, o Filho e o Espírito Santo são o Único e o mesmo Deus.

Para saber mais sobre essa seita do inferno, esse joio no meio do trigo, clique no link a seguir: Russelianos. Evidentemente que Deus os ama, todavia muitos deles são implacáveis e irredutíveis, evidenciando assim serem vários deles filhos do diabo. E quanto aos eleitos que houver entre eles, certamente que o Senhor os resgatará.

-------

“Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça, que, achando-se grávida, grita com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz.” Apocalipse 12

O que o apóstolo João viu foi semelhante ao que viu José, um dos doze filhos de Israel. Vejamos.

“Ora, Israel amava mais a José que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica talar de mangas compridas. Vendo, pois, seus irmãos que o pai o amava mais que a todos os outros filhos, odiaram-no e já não lhe podiam falar pacificamente. Teve José um sonho e o relatou a seus irmãos; por isso, o odiaram ainda mais. Pois lhes disse: Rogo-vos, ouvi este sonho que tive: Atávamos feixes no campo, e eis que o meu feixe se levantou e ficou em pé; e os vossos feixes o rodeavam e se inclinavam perante o meu. Então, lhe disseram seus irmãos: Reinarás, com efeito, sobre nós? E sobre nós dominarás realmente? E com isso tanto mais o odiavam, por causa dos seus sonhos e de suas palavras. Teve ainda outro sonho e o referiu a seus irmãos, dizendo: Sonhei também que o sol, a lua e onze estrelas se inclinavam perante mim. Contando-o a seu pai e a seus irmãos, repreendeu-o o pai e lhe disse: Que sonho é esse que tiveste? Acaso, viremos, eu e tua mãe e teus irmãos, a inclinar-nos perante ti em terra?” Gênesis 37:3-10

Pelo sonho de José, o qual se cumpriu literalmente, vemos que ao ser nomeado governador do Egito, seus onze irmãos vieram a ele e diante dele se prostraram. Também o próprio Israel foi ter com ele no Egito, cumprindo-se assim a profecia quando o sol, a lua e as onze estrelas tiveram de se inclinar a José. Aqui, Israel é o sol, sua mulher a lua, e as onze estrelas os onze filhos de Israel.

“E chegou Judá com seus irmãos à casa de José; este ainda estava ali; e prostraram-se em terra diante dele.” Gênesis 44:14

Assim, podemos identificar a mulher do capítulo 12 do Apocalipse como sendo o povo de Israel, sendo as 12 coroas os doze filhos de Israel. O fato de achar-se grávida e sofrendo tormentos para dar à luz, isto se refere às promessas de Deus referente ao Messias, o Salvador, o qual, pela genealogia de seus pais, veio da descendência de Israel.

“Ora, tinha Jesus cerca de trinta anos ao começar o seu ministério. Era, como se cuidava, filho de José, filho de Eli; Eli, filho de Matate, Matate, filho de Levi, Levi, filho de Melqui, este, filho de Janai, filho de José; José, filho de Matatias, Matatias, filho de Amós, Amós, filho de Naum, este, filho de Esli, filho de Nagai; Nagai, filho de Maate, Maate, filho de Matatias, Matatias, filho de Semei, este, filho de José, filho de Jodá; Jodá, filho de Joanã, Joanã, filho de Resa, Resa, filho de Zorobabel, este, de Salatiel, filho de Neri; Neri, filho de Melqui, Melqui, filho de Adi, Adi, filho de Cosã, este, de Elmadã, filho de Er; Er, filho de Josué, Josué, filho de Eliézer, Eliézer, filho de Jorim, este, de Matate, filho de Levi; Levi, filho de Simeão, Simeão, filho de Judá, Judá, filho de José, este, filho de Jonã, filho de Eliaquim; Eliaquim, filho de Meleá, Meleá, filho de Mená, Mená, filho de Matatá, este, filho de Natã, filho de Davi; Davi, filho de Jessé, Jessé, filho de Obede, Obede, filho de Boaz, este, filho de Salá, filho de Naassom; Naassom, filho de Aminadabe, Aminadabe, filho de Admim, Admim, filho de Arni, Arni, filho de Esrom, este, filho de Perez, filho de Judá; Judá, filho de Jacó, Jacó, filho de Isaque, Isaque, filho de Abraão, este, filho de Tera, filho de Naor; Naor, filho de Serugue, Serugue, filho de Ragaú, Ragaú, filho de Faleque, este, filho de Éber, filho de Salá; Salá, filho de Cainã, Cainã, filho de Arfaxade, Arfaxade, filho de Sem, este, filho de Noé, filho de Lameque; Lameque, filho de Metusalém, Metusalém, filho de Enoque, Enoque, filho de Jarede, este, filho de Maalalel, filho de Cainã; Cainã, filho de Enos, Enos, filho de Sete, e este, filho de Adão, filho de Deus.” Lucas 3: 23-38

Lembrando-nos aqui que o Senhor Jesus foi gerado pelo Espírito Santo no ventre da virgem, sendo ele da descendência de Israel porque legalmente seu pai, José, era filho de Eli, que veio da descendência de Israel.

“Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus, o qual foi por Deus, outrora, prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras, com respeito a seu Filho, o qual, segundo a carne, veio da descendência de Davi e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor, por intermédio de quem viemos a receber graça e apostolado por amor do seu nome, para a obediência por fé, entre todos os gentios, de cujo número sois também vós, chamados para serdes de Jesus Cristo.” Romanos 1:1-6

A Igreja Católica Romana identifica, erroneamente, a mulher de Apocalipse 12 como sendo Maria. Um absurdo digno de uma igreja apóstata e corrupta, tal como ela o é. Absurdo sob vários aspectos, pois Maria e José eram judeus, portanto descendentes da mulher de Apocalipse 12. Segundo, porque a mulher de Apocalipse 12, Israel, sofre perseguições que Israel já sofreu e que ainda sofrerá, como veremos a seguir, nada tendo a ver com Maria. Além do que Maria não poderia estar com uma coroa de doze estrelas na cabeça, pois assim como nós, receberá a coroa da glória quando retornar o Senhor, e não uma coroa representando os doze filhos de Israel. Usam, todavia, os católicos esta fantasia para sustentar a blasfêmia da adoração a uma mulher que a própria Bíblia nos diz ter sido uma pecadora:

“Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? Não, de forma nenhuma; pois já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer.” Romanos 3:9-12

Há somente um único Justo, Aquele que jamais conheceu o pecado, e este Justo é o Senhor Jesus Cristo.

“Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si.” Isaías 53:11

Ninguém, nem no céu, nem na terra e nem embaixo da terra é digno de adoração, senão aquele de quem fala o Apocalipse.

“Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos; e clamavam em grande voz, dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação. Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus, dizendo: Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém!” Apocalipse 7:9-12

Pior ainda, a Meretriz de Roma, a Igreja Católica, literalmente conduz seus seguidores a adorarem a figura blasfema do Papa, algo tão abominável aos olhos de Deus como a adoração à Maria, a qual nada sabe sobre estas loucuras que fazem os católicos usando o seu nome. Possivelmente, se nossa irmã, a Maria da Bíblia, soubesse destas coisas, já teria morrido de desgosto. Não creio que ela pudesse suportar algo assim. A mulher de Apocalipse 12 é Israel.

“Viu-se, também, outro sinal no céu, e eis um dragão, grande, vermelho, com sete cabeças, dez chifres e, nas cabeças, sete diademas. A sua cauda arrastava a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra; e o dragão se deteve em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse.” Apocalipse 12:3,4

O Apocalipse já nos informa sobre quem é o dragão.

“Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos;” Apocalipse 20:2 

Agora, o que significam as sete cabeças e os dez chifres? Significam o Império da Besta, o qual será dominado e conduzido pelo dragão. É uma referência à confederação das dez nações, de que fala o Livro do Profeta Daniel e também o Apocalipse.

“Os dez chifres correspondem a dez reis que se levantarão daquele mesmo reino; e, depois deles, se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis.” Daniel 7:24 

“Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam reino, mas recebem autoridade como reis, com a besta, durante uma hora.” Apocalipse 17:12 

Quanto ao fato da cauda do dragão estar arrastando a terça parte das estrelas do céu, esta é uma referência à rebelião dos anjos, os quais se tornaram todos diabos juntamente com Satanás. E o Senhor Jesus nos fala que Satanás possui anjos (caídos) a seu serviço:

“Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.” Mateus 25:41 

No Apocalipse, em outra parte, a Bíblia nos fala de um anjo, o qual é chamado de estrela caída. Esse anjo possui o nome de Abadom ou Apoliom, que significa “o Destruidor”. O Apocalipse pode estar se referindo a Satanás ou a algum demônio de grande atuação, uma vez que o Império de Satanás é organizado em principados e potestades das trevas, e não são poucos os anjos caídos a seu serviço.

As estrelas lançadas para a terra parece, portanto, referir-se a estes anjos caídos, os quais foram, por Deus, expulsos do céu. Muitos deles estão em prisão, no Hades (o Abismo), aguardando, em algemas, o dia do juízo. Outros, todavia, como o próprio Satanás, encontram-se soltos e atuantes em seu propósito de destruir os seres humanos, e, se possível, a cristãos.

Quando o dragão se detém em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse, esta é uma clara referência às tentativas empreendidas por Satanás, ao longo da história, a fim de destruir o povo de Israel, e o seu descendente, o Messias.

“Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações com cetro de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono.” Apocalipse 12:5

A audácia do diabo é tamanha, que chegou ao ponto de tentar o próprio Senhor Jesus, desejando que o Filho de Deus se prostrasse diante dele, mesmo sabendo de quem se tratava. E basta lermos os Evangelhos para vermos que impressionantes e terríveis perseguições sofreu o Messias Jesus, tendo sido vitorioso em tudo e triunfado na cruz. A referência ao Senhor Jesus em Apocalipse 12:5 mostra a sua vitória e o seu retorno para o Pai, após a sua ressurreição.

“E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu- o inteiramente, encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.” Colossenses 2:13-15

“A mulher, porém, fugiu para o deserto, onde lhe havia Deus preparado lugar para que nele a sustentem durante mil duzentos e sessenta dias.” Apocalipse 12:6

Esta é uma interessante profecia, sendo como que um grande salto na história, mostrando Israel retornando para a sua terra (lembrando que estiveram dispersos por centenas de anos), e sendo sustentado por mil duzentos e sessenta dias (quarenta e dois meses, ou três anos e meio) o tempo de duração da grande tribulação e o tempo que será permitido à Besta atuar.

“Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia. A besta que vi era semelhante a leopardo, com pés como de urso e boca como de leão. E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade. Então, vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou, seguindo a besta; e adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta; também adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela? Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias e autoridade para agir quarenta e dois meses; e abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.” Apocalipse 13:1-6

Israel sofrerá terríveis perseguições durante esse período, sobre o qual também nos fala o Profeta Daniel:

“Nesse tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo, e haverá tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas, naquele tempo, será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro. Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno.” Daniel 12:1,2

Daniel também nos fala que após a grande tribulação, haverá as duas ressurreições, a ressurreição da vida e a ressurreição da condenação, exatamente como anunciou o Senhor Jesus.

“Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo.” João 5:28,29

“Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos.” Apocalipse 12:7-9

Lembrando-nos do que acabamos de ver em Daniel 12, ou seja, que no tempo da grande tribulação, que durará três anos e meio, Miguel, um dos maiores anjos de Deus, sendo inclusive chamado de príncipe e de defensor à serviço dos eleitos, se levantará e pelejará com seus anjos contra o dragão (Satanás) e seus demônios, os quais não prevalecerão.

Para entendermos melhor como será esta peleja entre Miguel e seus anjos e Satanás e seus anjos, vejamos o que está escrito na Epístola aos Efésios.

“Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.” Efésios 6:11,12

Vemos, portanto, que agora estamos lutando, em nome do Senhor Jesus Cristo, contra as forças das trevas que se encontram nas regiões celestes. Estas regiões celestes se referem ao cosmos que presentemente ainda existe, e não aos céus, a habitação de Deus. O apóstolo Paulo se refere à existência de três céus em sua Segunda Epístola aos Coríntios:

“Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) e sei que o tal homem (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe) foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir.” 2 Coríntios 12:2-4

A Bíblia, em seu original em Grego do Novo Testamento chama estes céus de Ouranos. Vejamos as referências.

“Eis que o semeador saiu a semear. E, ao semear, uma parte caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram.” Lucas 8:5 

Aqui Ouranos se refere ao céu onde voam as aves e onde está a atmosfera terrestre. É este o primeiro céu.

“Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.” Mateus 5:18

Aqui Ouranos se refere ao cosmos, com a terra, o sol a lua, os astros e todos os demais corpos celestes, os quais deixarão de existir no último dia. Este é o segundo céu.

“Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe)” 2 Coríntios 12:2 

E aqui Ouranos se refere ao local da habitação de Deus, ao Paraíso. Este é o terceiro céu.

A batalha entre Miguel e Satanás não está se referindo à queda de Lúcifer, uma vez que Satanás já se encontrava expulso do céu no período do Gênesis, quando entrando em uma serpente tentou e enganou Eva. Quando Deus expulsou a Lúcifer do terceiro céu, não temos notícia de ter havido batalha alguma, pois Deus simplesmente o expulsou, a Satanás e aos demônios.

“Mas ele lhes disse: Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago.” Lucas 10:18 

Outro motivo para que esta batalha entre Miguel e Satanás não se refira à queda de Lúcifer é que quando o dragão se viu atirado à terra, por Miguel e seus anjos, o dragão (Satanás) passou a perseguir a mulher (Israel) que já havia dado à luz o filho varão, referência ao Messias Jesus.

“Quando, pois, o dragão se viu atirado para a terra, perseguiu a mulher que dera à luz o filho varão;” Apocalipse 12:13

Ainda outra razão é o fato de o Apocalipse nos dizer que Satanás estará ciente de que pouco tempo lhe resta.

“Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta.” Apocalipse 12:12

“e foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que voasse até ao deserto, ao seu lugar, aí onde é sustentada durante um tempo, tempos e metade de um tempo, fora da vista da serpente.” Apocalipse 12:13,14

Esta é uma referência a uma futura perseguição que sofrerão os judeus, os quais necessitarão retornar em massa à terra de Israel a fim de que sejam guardados durante o período da grande tribulação, um tempo, tempos e metade de um tempo (três anos e meio), quando serão fortemente perseguidos, como também os cristãos. As asas da grande águia são, muito possivelmente, uma referência aos Estados Unidos da América, cujo símbolo é uma grande águia, tendo sido, até hoje, eles os principais apoiadores e defensores do Estado de Israel. Nações como o Iraque e o Irã, por exemplo, sempre nutriram grande ódio contra Israel, e o atual presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, por diversas vezes já ameaçou varrer Israel do mapa. E também o Iraque sempre teve pretensões semelhantes, cujo ditador foi derrotado pela grande águia, os Estados Unidos da América, e seus intentos aniquilados.

Haverá grande ira internacional contra Israel, por razões ainda não totalmente esclarecidas, todavia isto está profetizado para acontecer na grande tribulação, o período que o Apocalipse chama de um tempo, tempos e metade de um tempo, quarenta e dois meses e também de mil duzentos e sessenta dias, como já visto acima. O que nos diz o senhor é que aqueles dias serão dias de vingança. E não nos esqueçamos que foram os judeus quem, segundo a Bíblia, mataram o Senhor Jesus Cristo.

“Quando, porém, virdes Jerusalém sitiada de exércitos, sabei que está próxima a sua devastação. Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; os que se encontrarem dentro da cidade, retirem-se; e os que estiverem nos campos, não entrem nela. Porque estes dias são de vingança, para se cumprir tudo o que está escrito. Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Porque haverá grande aflição na terra e ira contra este povo.” Lucas 21:20-23

“Tanto é assim, irmãos, que vos tornastes imitadores das igrejas de Deus existentes na Judéia em Cristo Jesus; porque também padecestes, da parte dos vossos patrícios, as mesmas coisas que eles, por sua vez, sofreram dos judeus, os quais não somente mataram o Senhor Jesus e os profetas, como também nos perseguiram, e não agradam a Deus, e são adversários de todos os homens, a ponto de nos impedirem de falar aos gentios para que estes sejam salvos, a fim de irem enchendo sempre a medida de seus pecados. A ira, porém, sobreveio contra eles, definitivamente.” 1 Tessalonicenses 2:14-16

Embora seja verdade que o Império Romano tenha cercado Jerusalém e os judeus foram dispersos pelo mundo por cerca de dois mil anos, cumprindo-se assim o que já estava, por Deus, anunciado, o Senhor Jesus está se referindo aos últimos dias, em Lucas 21, e evidência disto é que ele diz:

“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; sobre a terra, angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas; haverá homens que desmaiarão de terror e pela expectativa das coisas que sobrevirão ao mundo; pois os poderes dos céus serão abalados. Então, se verá o Filho do Homem vindo numa nuvem, com poder e grande glória.” Lucas 21:25-27

“Então, a serpente arrojou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, a fim de fazer com que ela fosse arrebatada pelo rio. A terra, porém, socorreu a mulher; e a terra abriu a boca e engoliu o rio que o dragão tinha arrojado de sua boca. Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus; e se pôs em pé sobre a areia do mar.” Apocalipse 12:15-17

Aqui água e rio que a serpente arrojou contra a mulher, é mais uma referência às tentativas de Satanás em destruir Israel e os Cristãos. Águas e rios se referem a povos, a multidões, e a terra engolindo o rio que o dragão tinha arrojado de sua boca é uma referência ao fato de que Deus impedirá que estes povos destruam Israel (como tem impedido por diversas vezes). Praticamente todo o Oriente Médio (Irã, Iraque, Síria, Líbano, etc., odeiam a Israel e tem procurado destruí-los. Todavia, Deus tem levantado poderosas nações como os Estados Unidos da América e a Grã-Bretanha a fim de impedir que os árabes (em sua maioria muçulmanos – uma religião antijudaica e anticristã) destruam os judeus.

O fato do dragão ter se irado contra a mulher (Israel) e ter se lançado a pelejar com a sua descendência, esta é uma referência à descendência espiritual de Abraão, ou seja, a judeus e a gentios convertidos a Cristo.

“Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão.” Gálatas 3:7 

“Então, ouvi grande voz do céu, proclamando: Agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo, pois foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida. Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta.” Apocalipse 12:10-12

Este trecho da Bíblia é como uma espécie de parêntesis entre uma narrativa e outra, pois ao mesmo tempo em que o capítulo 12 do Apocalipse fala de terríveis perseguições, mostra que a vitória já nos pertence, e também nos dá a chave para a vitória quando diz:

“Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida.”

Lembrando-nos, sempre, o que também está escrito sobre o Livro do Apocalipse:

“Pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia.” Apocalipse 19:10

 

INTELLECTUS

 

 Home